Busque o desconforto intencionalmente

Por esse título você deve pensar: “Bem, agora ela já foi longe demais, a vida já tem suas dificuldades por si só e a pessoa ainda quer que eu busque o desconforto intencionalmente, onde quer chegar com isso?”. É bem por aí, pode ser um pouco estranho no início, mas é exatamente essa mensagem que quero lhe passar. Vamos lá, deixe eu tentar me explicar melhor e por que afirmo isso. Obviamente que a ideia aqui não é lhe impor algo que você tenha que seguir, mas sim – como sempre – mostrar uma outra perspectiva, uma nova possibilidade de talvez sentir incentivo para incorporar alguns hábitos na sua rotina que podem ser bastante benéficos, principalmente a longo prazo. De repente você acha algo absurdo e sem a menor chance de querer incluir na sua vida, tudo bem, se assim for, vida que segue, já é um ótimo exercício saber lidar com o fato de que as pessoas têm diversas formas de viver e levar a vida e devemos respeitá-las sempre.

“Mas por que raios você vem me dizer que buscar o desconforto pode ser benéfico?” Bem, sejamos realistas, nós gostamos das coisas cômodas, das situações e dos ambientes que conhecemos, quanto menos surpresas tivermos no meio do caminho, melhor. A questão aqui é que, quanto mais despreparados para tomarmos decisões rápidas, mais a vida vem nos testar, ela fica ali só na espreita vendo se estamos nos desafiando ou não, e caso ela veja nossa inércia entra em ação e, como não nos preparamos para situações incômodas, detestamos, com todas as forças, quando elas aparecem. O que esquecemos com o decorrer dos anos, e da correria da rotina, é que fomos feitos para estarmos em ação e não parados esperando as situações chegarem até nós para lidarmos com elas. Isso é reação, é apagar incêndios conforme eles forem aparecendo, e você dificilmente está pronto para lidar com alguma situação que exija um pouco que seja a mais de você. Essa é a forma que você quer levar sua vida? Quando nos habituamos ao desconforto, até os momentos mais desafiadores se tornam uma circunstância a mais a se contornar e não o fim do mundo, como normalmente rotulamos nossas questões.

Pensando dessa forma, comecei a querer me deixar mais à vontade para cenários adversos. Acordo diariamente às 4h50, não é confortável nem delicioso, e muito menos acordo cantando, principalmente naquele dia de frio intenso em que você daria qualquer coisa por mais dez minutinhos debaixo daquelas cobertas quentinhas – até dou minhas amarradas –, mas levanto, água gelada no rosto e bora iniciar o dia. Se postergo meu despertador, postergo minha vida, é isso que penso quando a vontade de desligá-lo e fingir que não o ouvi vem. Mas se não é agradável, por que você faz? Esse é o ponto, por ser extremamente desconfortável que faço, e isso me fortalece mentalmente, pois, se consigo ter comprometimento diário com algo de que eu não gosto, onde eu posso chegar com algo que realmente queira tendo essa persistência? É impossível ganhar de alguém que nunca desiste. Você já havia se perguntando isso ou visto dessa forma? A zona de desconforto mostra, em momentos como estes, o quanto você pode ir longe quando tem um objetivo bem definido em mente. Já experimentou se testar com uma dieta mais restritiva por um período? O tanto de aprendizado, sobre você e seu corpo, que acompanha essa experiência é interessante.

O mesmo acontece com exercícios físicos, que em grande maioria detestamos ficar lá levantando pesos, suando, sofrendo, sentindo dores desnecessárias, e aí que está, eles são de importância fundamental, pois, como mencionei acima, nosso corpo foi feito para o movimento, e se isso não ocorre ele vai travando. Acabamos vendo por uma perspectiva totalmente distorcida, a do conforto, pois é muito melhor ficar no sofá vendo um filme, comendo pipoca, do que fazer um movimento a seu próprio favor. Nos convencemos de que na segunda-feira começamos, mas ela nunca chega, porém a conta do sedentarismo a longo prazo não atrasa. O que quero dizer aqui é que estamos sempre tomando decisões sobre algo de que precisamos nesse momento ou futuramente, mas se não tivermos essa visão ampliada normalmente ficaremos com o imediato esquecendo da importância que o longo prazo tem e os benefícios que o acompanham. Tomar banhos gelados* também é outra forma de se colocar no desconforto, fazendo seu corpo todo se colocar presente naquele momento, sentindo-se alerta e pronto para o que vier. Se você consegue tomar um banho gelado ao acordar, mesmo sendo totalmente desagradável, onde você poderia chegar? De repente naquilo que você tanto sonha?

O conforto é viciante, eu sei, sou um ser humano também, mas quebrá-lo torna você livre, é dar oportunidade a si mesmo de mostrar que você pode sim controlar sua mente, que pode ir além até mesmo do que você imaginava possível. Depois de colocar restrições, cenários incômodos e desconfortáveis na sua rotina, você cresce, percebe que pode lidar com qualquer situação que aparecer. Nem todas as situações ficarão mais fáceis, mas seu jogo de cintura com certeza sim. Dá próxima vez que uma oportunidade de desconforto aparecer, mesmo que você não vá atrás dela, não corra, encare-a e veja que ela só parece horrível, e depois de um tempo você percebe que é possível fazer qualquer coisa a que se propor. Seja seu próprio laboratório, fazendo testes dos seus próprios limites. Muitas vezes nos deixamos levar por nossa mente que quer nos convencer de que não somos capazes de muita coisa. Mostre que ela está errada, essa medrosa. Compartilha comigo se você é do time que busca o desconforto ou se é do grupo que foge para o descanso assim que vê o desconforto vindo.

*Coloquei um asterisco sobre banhos gelados, pois não quero ser irresponsável aqui de incentivar você a fazer isso sem preparar seu corpo para tal. É necessário estar com a imunidade em dia, saudável, não quero ninguém gripado ou baixando a imunidade por agir impulsivamente. Se sentir-se à vontade para a inclusão desse hábito em sua rotina, informe-se sobre o assunto, leia mais e então tome sua decisão. Há uma série na Netflix chamada Goop lab que tem um episódio falando exatamente sobre o assunto – Poderes do frio. Se você ficou curioso dá uma olhada lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *