Pare de culpar o mundo e assuma quem você é!

Você consegue (tradução)

Por muito tempo, e com isso quero dizer em torno de 15 anos, eu alisei meu cabelo. Quando eu era pequena tinha o cabelo bastante encaracolado, crespo mesmo e armado – natural de um cabelo desse tipo. Ver várias mulheres por aí ostentando seus crespões é natural – e lindo – hoje em dia, mas pense nisso 20 anos atrás, quando eu era uma criança, me desenvolvendo e prestando atenção em tudo que acontecia ao meu redor e os colegas me chamando de inúmeros apelidos. O mais comum deles era Valderrama – de Carlos Alberto Valderrama, um antigo jogador colombiano, se ficou com curiosidade joga lá no Google, mas não ria! – Eu voltava triste para casa, chorava, odiava meu cabelo, pedia para minha mãe prender e dormia com meia na intenção – que inocência – de que ele ficasse mais baixo quando acordasse.

Por mais que em casa elogiassem, e na rua parassem minha mãe para perguntar se era natural, eu não achava ele bonito, não nos foi ensinado que o crespo era visivelmente tão lindo (queria ter um emoji de mão na cabeça agora para corroborar essa fala). Nesse sentido, passei grande parte da minha vida tentando esconder meu cabelo de verdade, para ser aceita. O quanto de trabalho – e loucuras feitas – já passei em relação a ele só eu e minha mãe sabemos… por exemplo, foi escova japonesa, alisamento, progressiva, nem vou contar mais porque vai cansá-los e esse não é o mérito do assunto, só a última – quem é dessa geração e não usou ferro de passar roupa no cabelo que atire a primeira pedra.

Não estou levantando a bandeira do crespo, nem do liso, nem falando que a sociedade nos impõe um padrão de beleza. Aprendi que a vida é o que você faz em vez de ficar se queixando e se vitimizando. Ela é dura, desafia você, quer que você esteja cada vez mais forte para a próxima etapa, em outras palavras, ela não vai lhe alcançar um lencinho enquanto você chora e reclama que o mundo está contra sua pessoa. Fazer isso é jogar fora nosso recurso mais escasso – tempo –, culpando em vez de buscar se encontrar e se aceitar.

Se quer mudanças, faça, comece por si, não pelos outros, e comece agora, não espere o momento certo de agir, ele nunca chegará. Desculpe a franqueza, mas a verdade precisa ser dita, e falo por experiência própria. Quando fizer aquele procedimento vou me amar mais, quando fulano mudar nossa relação vai ficar mais fácil… não, não vai! Pare de adiar a resolução dos seus problemas. O mundo, as pessoas, o governo não tem nada a ver com o que passa aí dentro e o quanto você delonga de se assumir e se amar. Essa inclinação que temos de culpar o externo, buscando elementos fora que validem nossa vida não estar da maneira que gostaríamos, o hábito de nos eximirmos das nossas responsabilidades só retarda a clareza e a compreensão da gente mesmo.

A partir do momento em que entendi que o mundo não nos deve nada busco cada vez mais sair do papel de mártir que nossa geração insiste em se colocar e fazer diferente. Nunca antes existiu momento melhor para você bater no peito e assumir quem é, suas paixões, anseios e dúvidas sem se preocupar com o que vão pensar ou falar. E tem algumas pessoas – você é uma delas? – que insistem em seguir apontando dedos sem olhar para o seu próprio umbigo. Vou lhe falar, e você precisa aceitar, que as relações só vão melhorar a partir do momento em que você assumir a sua parcela de culpa e ir para a ação, para o movimento, e não ser somente uma reação em resposta ao outro. Pare de esperar, AJA!

Ouse ser você mesmo, com seus erros e acertos, defeitos e qualidades, mas seja você, inteiro, verdadeiro, em ressonância com seu interior, com coragem. Exterior é reflexo do que carregamos lá dentro, logo, não se preocupe com o resultado, se preocupe com o planejamento e a execução, os resultados que você colhe são tão somente consequência de um trabalho bem-feito. E se aprimorar, como ser humano, exige dedicação, comprometimento, ânimo, esforço contínuo, vigilância, mas os frutos são eternos. Quando a mudança é real, ela vem para ficar e não há como voltar atrás. Você deve isso a si mesmo, a se olhar com amor, com afeição e se permitir ser quem você é de verdade. “Mas, e se não gostarem desse meu eu de verdade?” Você automaticamente irá atrair pessoas que se olham dessa forma também e se assumem independente da visão externa, e não tem problema algum em fazer novas amizades, não é verdade?

O quanto você está se permitindo, genuinamente, ser você mesmo? Me conte aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *