Novas descobertas – Você está pronto?

Autor: Izabel Cristina Heberle

Psicoterapeuta Reencarnacionista Coach, Escritora, Mestre em Reiki e Terapeuta Holística.

Atualmente corremos em busca de informações, queremos sempre saber das novidades.

As informações vêm de forma massiva, nos confundem, nos estressam e muitas vezes nos sufocam. Com este movimento vem a sensação de não dar conta de tantas coisas que “temos” que aprender e “temos” que fazer.

E então perguntamos: o que realmente importa?

Temos muito do mesmo em diferentes formatos, mas, e as novas informações?

Estamos preparados para as novas descobertas? Considerando que o universo é ilimitado e a quantidade de informações também é ilimitada, será que somos conscientes disso? E as informações, por exemplo, com que não temos muita afinidade, como lidamos com elas?

O nosso hoje está pautado com muitas informações e desinformações, fake news, desconexas, com duplo sentido, tendenciosas…

Qual o filtro que estamos utilizando para verificar e validar essas informações antes de passar adiante?

Cada um de nós percebe de forma muito pessoal e, muitas vezes, não entende o que acabou de ler, ou ainda, quando o texto é grande, não lê até o final, então o filtro não é aplicado, e, quando a mensagem é emocional, olha-se o início, viu que é legal ou emocionante e passa adiante na velocidade da luz, sem o filtro adequado.

Mensagens com palavras bonitas, porém com duplo sentido, com palavras difíceis, o que acaba passando uma falsa sensação de profundidade e verdadeiro. Assim, diariamente são compartilhados milhares de mensagens que nem sempre elevam, ou talvez sim se fossem lidas na íntegra, que poderiam provocar mudanças ou reflexões importantes, porém o hábito de ler, de olhar com atenção, não é tão priorizado como o hábito de repassar.

Então caímos em outro hábito: o julgamento.

Todos julgam, mas sem perguntar o que há dentro de cada um.

Todos exigem, porém ninguém observa a capacidade que o outro tem de assimilar.

A vida dá voltas, mas não as voltas que você gostaria que ela desse.

O mar de informações está dentro de cada um e não é o mesmo que está fora.

O mar de dentro está sempre revoltado e agitado, e, enquanto não compreendermos que a turbulência interna adoece, não estaremos prontos para a cura.

Nos momentos de silêncio e da aceitação dos fatos estaremos prontos para iniciar o caminho da cura.

Enquanto houver agitação e o mar interno não se acalmar, não conseguiremos compreender o que é necessário para promover as mudanças.

A compreensão exige somente a observação, nada mais do que isso, pois a observação ensina as diferenças e ensina também que elas independem do seu julgamento. Solte as amarras e permita-se somente se acalmar e observar mansa e serenamente, e o demais se ajustará. É onde vais encontrar a calmaria, e então estaremos prontos para a cura.

A cura se processa naqueles momentos em que a aceitação e a consciência do ser se encontram, é naquele momento em que não existem julgamentos, preconceitos ou qualquer justificativa vazia, existe somente o silêncio, a calmaria, a renúncia de uma máscara ou uma imagem concebida para se proteger do todo, do externo ou somente para ser aceito. Vagamos muitas vezes por territórios que não são os nossos para sermos vistos em busca de afeto e aceitação, e é nesse ponto que nos perdemos de nós mesmos, criando um personagem que assume a condução da nossa caminhada.

Então, será que estamos prontos para as mudanças? Para ler, para ouvir, para disseminar?

Toda compreensão gira em torno da aceitação das diferenças, das mudanças, dos novos aprendizados, e estes não estão fora, estão dentro de cada um de nós. Sentimo-nos partes em busca de um todo, quando deveríamos nos sentir inteiros para compor o todo que nos cerca.

Estamos prontos para as mudanças, para a nova era que está se moldando? Para toda transformação do planeta, das pessoas, da natureza? Para inserir em nossas vidas novas condutas, novos hábitos, novos aprendizados? O fato é que não conseguiremos voltar ao que éramos anteriormente, este é um novo caminho desconhecido que está se moldando com novas formas de nos relacionarmos, de convivermos, de nos divertirmos, nos encontrarmos, festejarmos.

É um novo ciclo em que estamos reescrevendo as novas regras para nossa caminhada, um novo futuro com muitas perspectivas diferentes. Queira você ou não, o fato é que independe de nós, embora façamos parte. Então, você está pronto para as novas descobertas?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *